Como entregar produtos vendidos pela internet

E-commerce

13 de abril de 2020

Como entregar produtos vendidos pela internet

Existem várias maneiras de vender pela internet, mas todas têm o mesmo fim: garantir que o produto vendido chegue até a pessoa que comprou. Você sabe qual é o melhor jeito de gerir suas entregas para cumprir esse objetivo último da venda online?

De forma geral, há três modelos de entrega: logística própria, logística parcialmente terceirizada e logística terceirizada. Cada um tem suas particularidades, vantagens e desvantagens. Cabe a você, vendedor, escolher o que mais beneficiará seu negócio.

Queremos ajudar você a entender qual tipo de logística é indicado para cada modelo de negócio online e como uma boa gestão de todo o processo de entrega é fundamental para o sucesso das suas vendas pela internet.

Logística própria

No caso da logística própria, todo o processo de entrega é de responsabilidade total do vendedor. Isso significa que você precisa gerir e realizar cada etapa: do armazenamento de estoque à entrega do produto.

Representação gráfica da logística própria

Logística parcialmente terceirizada

Como o nome deixa claro, as entregas com logística parcialmente terceirizada acontecem quando o vendedor contrata serviços de outra empresa, mas ela não é responsável por todo o processo de entrega.

O exemplo mais comum desse caso é o uso dos Correios. Mas você mesmo precisa estocar os produtos, embalar e ir até a agência fazer a postagem para que seu pacote chegue até o destinatário.

Algumas lojas virtuais, pequenas e médias, estabelecem um contrato com os Correios. Assim, o vendedor garante um desconto nos envios e gasta menos tempo na agência, já que efetua o pagamento mensalmente e não a cada postagem. Além disso, o contrato dá acesso a preços especiais: é possível pagar o valor de PAC para serviços expressos como Sedex. Se você vende para várias cidades do Brasil e seus produtos estão dentro dos padrões dos Correios, estabelecer um contrato pode ser bem vantajoso.

Mas os correios não são a única opção. Outros serviços muito conhecidos de logística parcialmente terceirizada são aplicativos de delivery como Rappi e Loggi. As duas marcas fazem entregas de produtos diversos para qualquer usuário. Isso significa que basta se cadastrar no aplicativo e solicitar a retirada e a entrega do produto vendido.

Não é necessário ter uma loja online, fazer uma parceria com uma das marcas ou estar na vitrine do app. Eles podem funcionar como serviços de motoboy que, aliás, é mais uma alternativa de entrega. Esses serviços de delivery são ainda ótimas opções para entregas expressas ou de última hora.

Representação gráfica da logística parcialmente terceirizada

Como aplicar?

Uma grande vantagem dos dois tipos de logística que abordamos anteriormente é que eles são mais democráticos. Para empreendedores que estão começando a vender pela internet e para pequenos negócios, essas alternativas de entrega são acessíveis, práticas e funcionais!

Mas é importante lembrar que esses sistemas funcionam apenas se você vende ou pretende vender dentro da sua cidade. Ou seja, se você quer vender seus produtos para outras cidades e estados do país, esses dois sistemas de logística não dão conta.

Contudo, pequenos e-commerces, empreendedores que vendem pelas redes sociais e até aqueles que apresentam seus produtos em vitrines online, como OLX e Facebook Marketplace, podem optar pela logística parcialmente terceirizada ou logística própria para fazer as entregas na sua cidade.

A logística própria pode ser uma boa alternativa tanto para lojas virtuais com alto volume de vendas quanto para um empreendedor que acabou de começar e ainda tem poucos pedidos por semana.

No primeiro caso, é ideal que a empresa tenha um ou mais colaboradores responsáveis pelas entregas além de um veículo próprio para tal. Já no caso do microempreendedor, é possível concentrar todas as entregas em um mesmo dia da semana. Assim, você recebe pedidos até sexta feira, por exemplo, e no sábado faz as entregas. O mesmo vale para vendedores que anunciam seus produtos nas vitrines online.

Se os produtos que você vende são perecíveis e precisam ser entregues no dia que são produzidos, os aplicativos de entrega podem ser muito úteis!

Logística terceirizada

Terceirizar as entregas dos produtos da sua loja online significa contratar uma empresa especializada para realizar todas as entregas do seu negócio e gerir a logística desse processo.

Nesse caso, a empresa contratada fica responsável por todas as etapas da entrega, inclusive pelo armazenamento de estoque. Esse modelo é conhecido como fulfillment, quando uma empresa terceira engloba todas as operações necessárias para entregar o produto ao cliente final. O fulfillment exige uma atuação integrada entre diversos departamentos: logística, tecnologia e atendimento. Exemplos de empresas que exercem esse serviço são Melhor Envio e Soulog.

Em junho de 2019, uma pesquisa da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABCOMM) revelou que os gastos com armazenagem e manuseio de produtos de lojas virtuais representam, respectivamente, 19,3% e 14,8% dos custos logísticos totais. Por isso, contratar uma empresa especializada pode ser uma boa ideia. Mas para quais modelos de negócio a logística terceirizada é ideal?

Representação gráfica da logística terceirizada

Grandes lojas de e-commerce

Se o seu e-commerce está crescendo exponencialmente e suas operações já não dão conta do volume de vendas, ou o estoque já não cabe mais no seu escritório, é hora de terceirizar as entregas.

Ao contratar um serviço fulfillment, o lojista deixa de ser responsável pelo armazenamento e todo o processo de entrega de produtos e, assim, pode se concentrar nas vendas, na gestão e no marketing de seu negócio online.

Na prática, a terceirização da logística funciona assim: o estoque de produtos deixa de ser armazenado pelo lojista e torna-se responsabilidade da empresa contratada. Assim, o e-commerce recebe os pedidos e os repassa à empresa parceira de maneira automatizada via sistemas de tecnologia e internet. A partir daí, a empresa terceirizada retira o produto do estoque, embala e entrega. Mas o lojista precisa ficar atento ao estoque para repor sempre que necessário.

Grandes Marketplaces

Normalmente, os marketplaces oferecem diferentes opções de envio aos sellers: desde operação própria, usando apenas a etiqueta do marketplace, até o serviço fulfillment efetuado pelo próprio marketplace. Se você vende ou pretende vender nesse modelo de negócio, a logística de entrega dos seus produtos vai depender de alguns fatores como volume de vendas e características dos seus produtos.

Alguns marketplaces têm contrato com os Correios e fazem uma intermediação entre os sellers e a operação das agências. O mais comum é que o marketplace envie para o seller uma etiqueta com todos os dados da venda e envio e o próprio vendedor faça a postagem na agência mais próxima.

Ainda há marketplaces que oferecem a possibilidade de o próprio vendedor configurar e ser o responsável pelos fretes e entrega dos produtos. Isso é mais comum para grandes sellers ou vendedores cujos produtos estão fora das características padrão e, por isso, precisam contratar transportadoras para realizar as entregas.

Apesar das particularidades de cada marketplace, nenhum deles se responsabiliza totalmente pelos serviços de logística e entrega dos sellers. Alguns até oferecem essa possibilidade, mas é como se você estivesse contratando uma empresa terceira para realizar esse processo.

Então, não se engane! O marketplace pode ser uma ótima alternativa de vendas, mas você continua sendo o responsável pelo estoque e envio dos produtos.

A embalagem e a espera pelo produto

A experiência de compra online não termina quando seu cliente clica em “efetuar pagamento”. A espera pelo produto e o recebimento da encomenda também fazem parte dessa experiência. Assim, mesmo que a entrega seja realizada por outra empresa, seu cliente vai atribuir todo esse processo à sua loja.

Por isso, o e-commerce que tem seus serviços de logística terceirizados precisa se responsabilizar pela embalagem e por possíveis falhas no processo. A embalagem é o primeiro contato que seu cliente tem com o produto. Você já viu algum “unboxing” no Instagram que não tivesse uma embalagem bonita? Surpreender seu cliente com uma experiência agradável, bela ou até divertida no momento de receber e abrir a encomenda pode ser uma ótima estratégia de marketing.

Além disso, se empresa contratada para realizar a entrega tiver alguma falha no processo, você precisa estar ciente e contatar seu cliente antes que ele o faça. Lembre-se: o cliente não se importa como o produto vai chegar ou quem é responsável por isso, a compra foi feita na sua loja e é você quem vai receber elogios, críticas e reclamações.

E então, como seu negócio pode vender mais e entregar a melhor experiência para o seu cliente? Avalie cada possibilidade levando em consideração seu volume de vendas, o tipo e características do seu produto, valores, sua praça de vendas e recursos materiais e pessoais que a sua loja online tem.

aumente suas vendas com pagar.me

Compartilhe esse conteúdo

  • Logo Facebook colorido
  • Logo Linkedin colorido
  • Logo Twitter colorido
  • Logo Whatsapp Colorido

Você também vai gostar..

07, agosto, 2020

Split de Pagamento: o que é, como funciona e para quem é indicado?

Split de pagamento é a tecnologia que permite que um único valor arrecadado seja dividido entre diferentes recebedores. Isso acontece de forma automática, segura e precisa. Veja como funciona e para quem é indicado.

Compartilhe esse conteúdo

  • logo
  • logo
  • logo
  • logo

05, agosto, 2020

Gestão em link de pagamento: conheça as novas funcionalidades do Link.me

Agora com o Link.me é possível gerir recebíveis por meio de dashboard e repassar taxas e calcular previsão de ganhos direto no app. Saiba mais!

Compartilhe esse conteúdo

  • logo
  • logo
  • logo
  • logo

29, julho, 2020

[BAIXE O EBOOK] 2020: a revolução digital do varejo

Em um material completo, o Pagar.me traz dados dos setores mais afetados ao longo da quarentena e apresenta análises consistentes do que aconteceu, quais foram os principais impactos e como grandes e pequenas empresas reagiram.

Compartilhe esse conteúdo

  • logo
  • logo
  • logo
  • logo