Por que as transações financeiras digitais são mais arriscadas?

E-commerce

28 de agosto de 2020

Se você está começando a vender pela internet, provavelmente já se fez essa pergunta. Ou ainda essa outra: por que várias tentativas de compra são recusadas pelo meu antifraude? Neste conteúdo, você vai entender todos esses porquês!

Por mais que as transações físicas e digitais tenham o mesmo fim, o fluxo das informações e do dinheiro é completamente diferente em cada uma delas. E, por isso, elas têm particularidades que precisam ser consideradas para respondermos a essas dúvidas.

Transações no mundo físico

Vamos começar pensando nas formas mais comuns de pagamento no mundo físico: o dinheiro em espécie e cartões de crédito e débito. Quando você, lojista, recebe um pagamento em dinheiro, basta verificar se a nota é verdadeira, não é mesmo?

Já no pagamento com cartão, o fluxo é um pouco mais complexo. Veja como acontece:

  1. Seu cliente insere o cartão na maquininha e digita a senha.
  2. As informações do cartão são transportadas para a adquirente, que é instituição financeira que fornece as maquininhas de cartão e é responsável por liquidar os pagamentos.
  3. Em seguida, esses dados são enviados para a bandeira do cartão e para o banco emissor: juntos, eles são responsáveis por verificar a transação e autorizar a liquidação, caso haja saldo na conta do comprador.
  4. Se a transação é autorizada, as informações percorrem o caminho inverso e acontece a cobrança do valor da compra.

Apesar de ser mais complexo, o processamento da transação acontece em poucos segundos e é bastante seguro. A presença física do chip do cartão e da senha do portador é o que torna a transação física muito mais simples e segura do que a digital.

Por causa dessa combinação chip + pin, fica muito mais difícil fazer uma compra fraudulenta. Entenda por quê:

  • O chip do cartão contém todos os dados necessários para a transação, ou seja, o usuário não precisa informá-los manualmente.
  • Só é possível concluir uma compra com a senha correta do cartão.
  • A validação da compra é totalmente objetiva: ela só acontece com o cartão físico e a senha juntos.

Transações no mundo digital

Já no ambiente digital, as transações são bem mais complexas. O fluxo da informação é maior e envolve mais pontos de contato. Veja como acontece uma transação digital intermediada por uma subadquirente como o Pagar.me:

  1. No checkout do site, e-commerce ou aplicativo em que a compra será feita, o consumidor digita os dados do seu cartão.
  2. O Pagar.me transmite essas informações para o gateway integrado ao nosso sistema que, por sua vez, se comunica com a adquirente, que contata o banco emissor para verificar se os dados do comprador estão seguros e se há saldo suficiente para realizar a compra.
  3. Se a compra é aprovada pelo emissor, as informações fazem o fluxo inverso e agora passam pelo sistema de antifraude integrado ao Pagar.me, que analisa uma série de outras variáveis e autoriza ou não aquela transação.

Mas por que essa transação é mais complexa?

Enquanto no mundo físico a compra é feita apenas com a combinação do cartão e da senha, no mundo online, bastam os dados do cartão de crédito. Não há senha e o próprio usuário informa os dados do seu cartão.

Além de tornar mais fácil uma tentativa de fraude, esse processo está sujeito a erro humano, já que o usuário pode digitar os dados incorretos, por exemplo.

Por isso, podemos dizer que as transações digitais são muito mais vulneráveis do que as físicas. E, para reduzir as chances de fraude, os sistemas digitais de pagamento acrescentam uma série de barreiras e verificações para autorizar a transação.

As barreiras das transações digitais

Assim como na transação física, as informações do cartão e do comprador são enviadas à bandeira e ao emissor do cartão (o banco), que analisam esses dados, validando-os ou não.

Mas, no caso das transações digitais, além desses dados, outras informações são verificadas pelo emissor, como o perfil de compra do portador do cartão, o ticket médio relacionado a ele e as restrições desse cartão.

Mas a verificação não para por aí. Se o banco, por fim, aprova a transação, chega a vez do antifraude verificar uma série de informações e autorizar ou não aquela compra.

O Pagar.me, que é um intermediador de pagamentos e, por isso, oferece uma integração simples com todos os pontos de contato que uma transação digital precisa ter, já tem um antifraude acoplado ao seu sistema.

Assim, o antifraude começa sua análise, verificando:

  • as últimas compras feitas por aquele usuário;
  • os últimos sites que acessou;
  • o perfil de compra atrelado àquele cartão e usuário;
  • a existência de inadimplências por parte do usuário;
  • o índice de chargeback atrelado ao cartão e ao portador;
  • a existência de algum bloqueio judicial relacionado ao usuário;
  • a ocorrência de fraudes anteriores atreladas àquele cartão;
  • e centenas de outras variáveis.

Assim, como o número de variáveis analisadas nas transações digitais é muito maior, a chance de o banco ou o antifraude recusarem uma transação digital também acaba sendo bem maior do que no mundo físico.

Ao analisar um cartão que já sofreu uma fraude, por exemplo, o antifraude será muito mais conservador e pode acabar recusando a transação para prevenir o lojista de uma possível fraude.

O Brasil é o segundo país em número de fraudes online, ficando atrás apenas do México. Por isso, os sistemas de antifraude brasileiros tendem a ser conservadores. E mesmo assim, em 2019, 3,47% dos pedidos em lojas digitais foram tentativas de fraude.

Outro problema que precisa ser combatido por meios de pagamento digitais e sistemas de antifraude são as contestações fraudulentas de compra. Essa prática também se enquadra como fraude, mas acontece depois que a compra já foi efetuada.

Para evitar mais essa possibilidade, os sistemas de segurança tentam prever as chances de uma compra acabar em um chargeback fraudulento, bloqueando a transação.

Bom, é por todos esses motivos que as transações financeiras digitais são mais arriscadas e acabam gerando mais recusas do que no mundo físico. Lembre-se de que seu meio de pagamento digital e seu sistema de antifraude têm um objetivo: ajudar você a vender mais e com segurança.

Compartilhe esse conteúdo

  • Logo Facebook colorido
  • Logo Linkedin colorido
  • Logo Twitter colorido
  • Logo Whatsapp Colorido

Você também vai gostar..

23, outubro, 2020

Previsões para a Black Friday 2020: dados e insights do Google

Recentemente, o Google Brasil promoveu um evento exclusivo para grandes varejistas do mundo digital onde apresentou dados, insights e previsões para a Black Friday 2020. Veja as informações e prepare seu negócio digital.

Compartilhe esse conteúdo

  • logo
  • logo
  • logo
  • logo

16, outubro, 2020

O que é chargeback e como evitar este problema no seu e-commerce?

Ter uma transação contestada pode trazer uma série de prejuízos para a sua loja online, que corre o risco de ficar sem o produto e o valor da venda. Entenda o que é chargeback e como evitar este problema no e-commerce.

Compartilhe esse conteúdo

  • logo
  • logo
  • logo
  • logo

15, outubro, 2020

O Dicionário Financeiro do E-commerce: 17 termos que todo empreendedor digital precisa conhecer

Capital de giro, Lucro, Chargeback, Fluxo de Caixa, Gateway e tantos outros termos do mundo financeiro que você precisa conhecer.

Compartilhe esse conteúdo

  • logo
  • logo
  • logo
  • logo